Archive

Posts Tagged ‘Substrato’

A acomodação do substrato no vaso

O substrato é o meio pelo qual a orquídea se sustenta durante a sua vida. Além dos nutrientes nele presentes, outros (adubos) são necessárias ir se incorporando ao longo do tempo para possibilitar um desenvolvimento saudável para a planta.

Neste post procurarei transmitir alguns conceitos sobre como acomodar o substrato em um vaso com vistas a receber uma planta de orquídea.

Primeiramente há de se escolher o tipo e o tamanho do vaso. Para planta pequena, também pequeno deve ser o vaso, para evitar o acúmulo de umidade e acabar provocando o apodrecimento das raízes da orquídea. Se maior a planta, por óbvio, também maior deverá ser o vaso.

Já no tocante ao tipo de vaso, acreditamos que este detalhe já não é tão importante quanto o é para a escolha do seu tamanho. Existe no mercado uma variedade enorme de vasos, de todos os tipos e tamanhos e que servem perfeitamente para o plantio da orquídea.

Algumas espécies de orquídeas, como por exemplo a Cattleya, se adptam bem em vaso de plástico transparente, pois este possibilita o contato da luz do dia com as suas raízes, ajudando assim no seu desenvolvimento.

No entanto, também se adptam perfeitamente em vasos de plásticos pretos ou mesmo de argila. Os de argila oferecem mais opções de recursos à planta, já que possuem vários furos, inclusive em sua lateral, são porosos, fato que ajudam na manutenção da umidade sem encharcamento.

Acomodando o substrato no vaso.

Antes de colocarmos o substrato no vaso, é necessário que o forremos com uma camada de cacos de telhas ou tijolos, pedras ou isopor, para possibilitar a melhor drenagem da água, evitando assim o encharcamento e consequentemente o apodrecimento das raízes da planta.

Particularmente preferimos o isopor, pois é fácil de ser encontrado e manuseado. Além dessas características, possuem também a de afugentar certos tipos de pragas. Deve-se dar preferência ao isopor utilizado em embalagens, principalmente as de eletro-eletrônicos, pois é mais compactado, característica esta que também contribui para afastar pragas.

Mas se o vaso que se for utilizar para o plantio da orquídea for de plástico e muito leve e a planta for de tamanho grande, a utilização dos cacos de telhas está indicada, pois contribui para a manutenção do vaso em pé, mesmo diante da movimentação do ar.

Se o vaso a ser utilizado for de argila, aconselha-se a deixá-lo submerso na água por algum tempo para umidecê-lo, evitando assim que após o plantio ele absorva toda a água do substrato.

Assim sendo, somente após a forragem do fundo do vaso com esta camada de dreno é que devemos adicionar o substrato em quantia suficiente para o plantio da orquídea, observando para que fique cerca de um centímetro abaixo da borda do vaso. Feito isso, o vaso está pronto e preparado para receber a nova orquídea.

Em um outro post será esclarecida a forma correta de transferir uma orquídea para o novo vaso. Até lá!

Os substratos

Os substratos para orquídeas devem ser adequados ao tipo de orquídea que se vai cultivar, se epífita, rupícula, terrestre ou sapófita.

Se se trata de orquídea epífita, o substrato não deve conter terra em seu composto, já que este tipo de orquídea vive normalmente em troncos de árvores em seu habitat natural, portanto, longe da terra (Ex: Cattleya, Laelia, etc).

epífito
[De ep(i)- + -fito.] Bot.
Substantivo masculino.
1.O vegetal que vive sobre um outro sem retirar nutrimento, apenas apoiando-se nele. [As orquídeas, p. ex., são plantas epífitas e, não, parasitas, como usualmente se diz.]
Adjetivo.
2.Diz-se de tais vegetais; epifítico.

A rupículas também não necessitam de terra para a sua sobrevivência, vivem em pedras ou rochas (Ex: Cattleyas Walkirianas. Epidendruns, etc).

rupícola
[De rupi- + -cola1.]
Adjetivo de dois gêneros.
1.Que vive nas rochas.

Já as terrestres vivem diretamente na terra, portanto, o seu substrato natural é extamente a terra (Ex: Arundina, Phiaus, Cyrtopodium, Túnia, etc).

Por fim, temos as saprófitas, que vivem em solo com abundância de material em decomposição, possuindo raízes mais finas e menos carnosas. Estas precisam de um substrato renovado constantemente, com mistura de musgo, raspas de madeira, folhas, para se assemelhar ao meio natural onde vivem – Blossfeld, 1999 (Ex: Stanhopeas e Masdevallias, etc).

saprófito
[De sapr(o)- + -fito.]
Substantivo masculino.
1.Ecol. Vegetal, inferior ou superior, desprovido de clorofila, como as burmaniáceas e certas orquidáceas, que se nutre de animais e plantas em decomposição; sapróbio.

Neste Post vamos tratar do substrato para as orquídeas epífitas.

O substrato para este tipo de orquídea pode ser de um único elemento ou da combinação de dois ou mais elementos.

Com efeito, como exemplo podemos utilizar a casca de pinus para servir como substrato, por ser bem porosa e portanto, com capacidade de conservar por mais tempo a umidade sem por isso ficar encharcado.

No entanto, o tipo de substrato a ser utilizado deve partir das facilidades regionais no tocante à escolha da matéria prima, de vez que vários são os componentes que podem servir para este fim sem interferir no resultado final.

Os componentes mais comuns dos substratos são os seguintes: casca de pinus, esfagno, pó de casca de côco (coquim), carvão, casca de castanha do Pará, casca de arroz carbonizada, sabugo de milho, pinha desfiada ou mesmo a própria pinha, etc. Anteriormente o xaxim era o substrato mais utilizado, mas, devido à proibição de sua extração da natureza em face do risco de extinção, não existe mais à venda.

Da mistura de componentes.

Acreditamos que um substrato adequado para o bom desenvolvimento da orquídea epífita seja aquele obtido a partir da mistrua de dois ou mais componentes, pois assim oferece mais fontes de nutrientes para a planta.

Um bom substrato pode ser obtido com a mistura de pó de côco (coquim) e casca de pinus, em partes iguais. A casca de pinus a ser utilizada deve ser em pedaços pequenos, de mais ou menos 1,5 cm para vasos pequenos  (15 a 20 cm). De se frisar que a casca de pinus, por ser em pedaços, oferece a possibilidade de melhor drenagem, o que evita que o substrato fique encharcado. Mas podemos também obter o substrato com as misturas do carvão com o esfagno e a casca de pinus. Assim também com relação aos outros componentes antes mencionados.

Em outro Post explicaremos como acondicionar o substrato no vaso. Até lá!

Referências bibliográficas:

  • BLOSSFELD, A. Orquidologia, Orquidofilia e Orquicultura. Jaboticabal, SP. Funep, 1999.
  • Dicionário Aurélio Eletrônico, Versão 5.0, 2004.